Instituto Direito e Democracia | IDD participa de semana de mobilidade elétrica
21834
post-template-default,single,single-post,postid-21834,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,select-theme-ver-3.4,side_area_uncovered,wpb-js-composer js-comp-ver-4.12.1,vc_responsive

IDD participa de semana de mobilidade elétrica

A presidente do IDD, Mírian Gonçalves, participou da 2 Semana de Mobilidade Elétrica, organizada pela Ampera Racing e pela UFSC, em Florianópolis. Na oportunidade, Mírian comentou sobre os desafios para a inclusão de políticas públicas relacionadas ao tema e citou a experiência exitosa do projeto Ecoelétrico, coordenado por ela, quando vice-prefeita de Curitiba, na gestão 2013-2016.

O Ecoelétrico, desenvolvido em parceria com a Itaipu Binacional, a Aliança Renault-Nissan e o Ceiia, obteve resultados expressivos como 12 ton de CO2 poupadas no período de dois anos de duração do projeto. Ao todo foram dez carros e 1 microonibus puramente elétricos que integraram a frota pública da prefeitura de Curitiba à época.  Em 2014, a Fundação Konrad-Adenauer e ICLEI consideraram o Ecoelétrico como uma dentre as dez melhores inciativas em sustentabilidade na América Latina.

Outro tema abordado por Mírian foi o compartilhamento de veículos elétricos – car-sharing, projeto também desenvolvido por ela na vice-prefeitura e deixado como legado à gestão seguinte. “A mobilidade urbana deve ser cada vez mais foco de investimento aliado à inovação. Os objetivos são a qualidade dos serviços públicos ofertados à população como também a sustentabilidade em prol de nosso planeta. O car-sharing é uma alternativa de modal nesse sentido. Curitiba perde ao não implantarem projetos como este”, afirmou.

Por fim, destacou também a importância do retorno aos incentivos fiscais como a isenção do IPI para veículos elétricos aos moldes do que foi sancionado, em outubro de 2015, durante o governo de Dilma Rousseff, de 35% de alíquota para zero. Naquele ano, Mírian esteve à frente das negociações junto a CAMEX pela isenção do imposto e pelo estímulo às políticas públicas de energias limpas.

 

Nenhum comentário

Escreva um comentário